la podia estar carregando uma boneca, um caderno, uma mochila, mas não. O que a menina Jeilsa carrega são quilos e quilos de lenha diariamente. No alto dos seus dez anos de idade. E
Jeilsa e os irmãos, desde muito cedo, precisaram ajudar os pais na produção de carvão. Uma questão de sobrevivência. Mas o viver, onde fica?! Como toda menina, Jeilsa tem seus desejos infantis: quer se divertir, estudar, mas o dever a impede. Mas bem que ela tenta, viu?
Jeilsa pode nem imaginar, mas o peso que ela carrega dia a dia provavelmente vai deixá-la inválida já aos dezesseis anos de idade. São mais que quilos de carvão, são toneladas de uma infância maltratada pelos rumos que ela foi obrigada a seguir.
“Enquanto a lenha vai virando carvão, a gente joga bola aqui .
 Na verdade, a nossa bola é uma sacola de plástico cheia de palha”, conta ela,77 com um sorriso tímido e um olhar cheio de esperança.
 Denuncie para o disque 100 – direitos humanos, ou entre no site do Ministério Público http://www.portal.mpt.mp.br Você pode ajudar muitas meninas como Jeilsa. Não se cale diante de um caso de trabalho infantil.
Infelizmente, Jeilsa não conhece outra vida senão esta. Mas nós conhecemos e podemos ajudá-la.
la podia estar carregando uma boneca, um caderno, uma mochila, mas não. O que a menina Jeilsa carrega são quilos e quilos de lenha diariamente. No alto dos seus dez anos de idade. E
Jeilsa e os irmãos, desde muito cedo, precisaram ajudar os pais na produção de carvão. Uma questão de sobrevivência. Mas o viver, onde fica?! Como toda menina, Jeilsa tem seus desejos infantis: quer se divertir, estudar, mas o dever a impede. Mas bem que ela tenta, viu?
Jeilsa pode nem imaginar, mas o peso que ela carrega dia a dia provavelmente vai deixá-la inválida já aos dezesseis anos de idade. São mais que quilos de carvão, são toneladas de uma infância maltratada pelos rumos que ela foi obrigada a seguir.
“Enquanto a lenha vai virando carvão, a gente joga bola aqui .
 Na verdade, a nossa bola é uma sacola de plástico cheia de palha”, conta ela,77 com um sorriso tímido e um olhar cheio de esperança.
Você pode ajudar muitas meninas como Jeilsa. Não se cale diante de um caso de trabalho infantil.
Infelizmente, Jeilsa não conhece outra vida senão esta. Mas nós conhecemos e podemos ajudá-la.
 Denuncie para o disque 100 – direitos humanos, ou entre no site do Ministério Público http://www.portal.mpt.mp.br
la podia estar carregando uma boneca, um caderno, uma mochila, mas não. O que a menina Jeilsa carrega são quilos e quilos de lenha diariamente. No alto dos seus dez anos de idade. E
Jeilsa e os irmãos, desde muito cedo, precisaram ajudar os pais na produção de carvão. Uma questão de sobrevivência. Mas o viver, onde fica?! Como toda menina, Jeilsa tem seus desejos infantis: quer se divertir, estudar, mas o dever a impede. Mas bem que ela tenta, viu?
Jeilsa pode nem imaginar, mas o peso que ela carrega dia a dia provavelmente vai deixá-la inválida já aos dezesseis anos de idade. São mais que quilos de carvão, são toneladas de uma infância maltratada pelos rumos que ela foi obrigada a seguir.
“Enquanto a lenha vai virando carvão, a gente joga bola aqui .
 Na verdade, a nossa bola é uma sacola de plástico cheia de palha”, conta ela,77 com um sorriso tímido e um olhar cheio de esperança.
Você pode ajudar muitas meninas como Jeilsa. Não se cale diante de um caso de trabalho infantil.
Infelizmente, Jeilsa não conhece outra vida senão esta. Mas nós conhecemos e podemos ajudá-la.
 Denuncie para o disque 100 – direitos humanos, ou entre no site do Ministério Público http://www.portal.mpt.mp.br
la podia estar carregando uma boneca, um caderno, uma mochila, mas não. O que a menina Jeilsa carrega são quilos e quilos de lenha diariamente. No alto dos seus dez anos de idade. E
Jeilsa e os irmãos, desde muito cedo, precisaram ajudar os pais na produção de carvão. Uma questão de sobrevivência. Mas o viver, onde fica?! Como toda menina, Jeilsa tem seus desejos infantis: quer se divertir, estudar, mas o dever a impede. Mas bem que ela tenta, viu?
Jeilsa pode nem imaginar, mas o peso que ela carrega dia a dia provavelmente vai deixá-la inválida já aos dezesseis anos de idade. São mais que quilos de carvão, são toneladas de uma infância maltratada pelos rumos que ela foi obrigada a seguir.
“Enquanto a lenha vai virando carvão, a gente joga bola aqui .
 Na verdade, a nossa bola é uma sacola de plástico cheia de palha”, conta ela,77 com um sorriso tímido e um olhar cheio de esperança.
Você pode ajudar muitas meninas como Jeilsa. Não se cale diante de um caso de trabalho infantil.
Infelizmente, Jeilsa não conhece outra vida senão esta. Mas nós conhecemos e podemos ajudá-la.
 Denuncie para o disque 100 – direitos humanos, ou entre no site do Ministério Público http://www.portal.mpt.mp.br