ra um dia normal nas ruas do Recife. Carros, fumaça, buzinas, horário de pico. Mas em meio a barulheira, pudemos ouvir perfeitamente a voz de Jean. E
Desde cedo, Jean precisou trabalhar para ajudar os pais. Aos 7 anos, se viu obrigado a acompanhar o pai na fabricação de carvão em fornos de barro. Do que ele mais lembra? Do caminho até o trabalho. Ele via as outras crianças da sua idade de mochila nas costas, pegando o transporte escolar, rindo, se divertindo.
Enquanto conta detalhes, Jean nos mostra uma foto deles, que carrega na carteira. Crava um ponto final: E complementa: “Qualquer coisa era melhor que aquela vida. Eu só queria poder brincar, estudar e ter uma família feliz. Se alguém cuidasse de mim, tudo seria diferente”. “tive que ir embora, pois não aguentava mais minha família”.
Era um pesadelo para ele. Como também era a hora de dormir. Jean tinha dificuldade por causa da asma e também pelas brigas constantes em casa. Seu pai bebia diariamente e costumava bater na sua mãe.
O sinal fechou. Jean se despediu e correu para fazer o que a escola da vida o ensinou: malabarismo de semáforo.
Você pode ajudar muitos meninos como Jean. Não se cale diante de um caso de trabalho infantil.
 Denuncie para o disque 100 – direitos humanos, ou entre no site do Ministério Público http://www.portal.mpt.mp.br
 ra um dia normal nas ruas do Recife. Carros, fumaça, buzinas, horário de pico. Mas em meio a barulheira, pudemos ouvir perfeitamente a voz de Jean. E
Desde cedo, Jean precisou trabalhar para ajudar os pais. Aos 7 anos, se viu obrigado a acompanhar o pai na fabricação de carvão em fornos de barro. Do que ele mais lembra? Do caminho até o trabalho. Ele via as outras crianças da sua idade de mochila nas costas, pegando o transporte escolar, rindo, se divertindo.
Enquanto conta detalhes, Jean nos mostra uma foto deles, que carrega na carteira. Crava um ponto final: E complementa: “Qualquer coisa era melhor que aquela vida. Eu só queria poder brincar, estudar e ter uma família feliz. Se alguém cuidasse de mim, tudo seria diferente”. “tive que ir embora, pois não aguentava mais minha família”.
Era um pesadelo para ele. Como também era a hora de dormir. Jean tinha dificuldade por causa da asma e também pelas brigas constantes em casa. Seu pai bebia diariamente e costumava bater na sua mãe.
O sinal fechou. Jean se despediu e correu para fazer o que a escola da vida o ensinou: malabarismo de semáforo.
Você pode ajudar muitos meninos como Jean. Não se cale diante de um caso de trabalho infantil.
 Denuncie para o disque 100 – direitos humanos, ou entre no site do Ministério Público http://www.portal.mpt.mp.br
 ra um dia normal nas ruas do Recife. Carros, fumaça, buzinas, horário de pico. Mas em meio a barulheira, pudemos ouvir perfeitamente a voz de Jean. E
Desde cedo, Jean precisou trabalhar para ajudar os pais. Aos 7 anos, se viu obrigado a acompanhar o pai na fabricação de carvão em fornos de barro. Do que ele mais lembra? Do caminho até o trabalho. Ele via as outras crianças da sua idade de mochila nas costas, pegando o transporte escolar, rindo, se divertindo.
Enquanto conta detalhes, Jean nos mostra uma foto deles, que carrega na carteira. Crava um ponto final: E complementa: “Qualquer coisa era melhor que aquela vida. Eu só queria poder brincar, estudar e ter uma família feliz. Se alguém cuidasse de mim, tudo seria diferente”. “tive que ir embora, pois não aguentava mais minha família”.
Era um pesadelo para ele. Como também era a hora de dormir. Jean tinha dificuldade por causa da asma e também pelas brigas constantes em casa. Seu pai bebia diariamente e costumava bater na sua mãe.
O sinal fechou. Jean se despediu e correu para fazer o que a escola da vida o ensinou: malabarismo de semáforo.
Você pode ajudar muitos meninos como Jean. Não se cale diante de um caso de trabalho infantil.
 Denuncie para o disque 100 – direitos humanos, ou entre no site do Ministério Público http://www.portal.mpt.mp.br
 ra um dia normal nas ruas do Recife. Carros, fumaça, buzinas, horário de pico. Mas em meio a barulheira, pudemos ouvir perfeitamente a voz de Jean. E
Desde cedo, Jean precisou trabalhar para ajudar os pais. Aos 7 anos, se viu obrigado a acompanhar o pai na fabricação de carvão em fornos de barro. Do que ele mais lembra? Do caminho até o trabalho. Ele via as outras crianças da sua idade de mochila nas costas, pegando o transporte escolar, rindo, se divertindo.
Enquanto conta detalhes, Jean nos mostra uma foto deles, que carrega na carteira. Crava um ponto final: E complementa: “Qualquer coisa era melhor que aquela vida. Eu só queria poder brincar, estudar e ter uma família feliz. Se alguém cuidasse de mim, tudo seria diferente”. “tive que ir embora, pois não aguentava mais minha família”.
Era um pesadelo para ele. Como também era a hora de dormir. Jean tinha dificuldade por causa da asma e também pelas brigas constantes em casa. Seu pai bebia diariamente e costumava bater na sua mãe.
O sinal fechou. Jean se despediu e correu para fazer o que a escola da vida o ensinou: malabarismo de semáforo.
Você pode ajudar muitos meninos como Jean. Não se cale diante de um caso de trabalho infantil.
 Denuncie para o disque 100 – direitos humanos, ou entre no site do Ministério Público http://www.portal.mpt.mp.br